Home Justiça Candidatos à OAB Anápolis debatem ideias no Canal 5

Em dois blocos a regra era ‘candidato pergunta para candidato’, com tema livre. Foram exatamente os momentos mais quentes do debate entre os postulantes à OAB Anápolis

 DA REDAÇÃO

O Canal Anápolis (Canal 5 da Net) realizou na quinta-feira (19), debate com os três candidatos à presidência da OAB Subseção Anápolis. Com duas horas de duração, o evento foi mediado pelo apresentador Lucivan Machado, com a assessoria da produtora Ana Clara Itagiba. O debate mobilizou nos bastidores todo o jornalismo do Canal 5, com reportagens de Fernanda Morais e participação em um dos blocos de Marcos Vieira e Orisvaldo Pires. A banca examinadora de pedidos de direito de resposta foi composta por Amilton Filho, Arinilson Mariano e Vander Lúcio Barbosa. Em dois blocos a regra era ‘candidato pergunta para candidato’, com tema livre. Foram exatamente os momentos mais quentes do debate entre os candidatos à presidência da OAB Anápolis Gilmar Alves (Chapa OAB Transparente), Ronivan Júnior (Chapa OAB Independente Anápolis) e Talmon Pinheiro Lima (Chapa OAB Que Queremos). O JE reproduz a seguir o embate entre eles.

 

2º BLOCO

 

1ª RODADA

 

Pergunta de Gilmar Alves – Candidato Ronivan Junior, já fui o presidente de outras associações e realizávamos congressos também. A minha pergunta é: nós fazíamos congressos é quem pagava era as pessoas que participavam. No início deste ano houve um congresso dos presidentes de comissões, aonde seus familiares vieram e ficaram hospedados em hotéis e teve varias festas na nossa subseção. Eu quero saber do senhor se esse dinheiro que foi pago essa festa e hospedagem veio da subseção de Anápolis ou da seccional de Goiás?

 

Resposta de Ronivan Júnior: Gilmar me surpreende essa pergunta. Se o senhor não der nomes eu não sei do que está falando e desconheço reunião de comissão. Eu desafio o senhor a mostrar que qualquer familiar meu se hospedou utilizando dinheiro de qualquer instituição. Eu não esperava uma pergunta dessa envergadura do senhor, pela confiança que tenho no senhor. E digo que o senhor está faltando com a verdade ao fazer qualquer afirmação nesse sentido.

 

Réplica de Gilmar Alves: Candidato Ronivan eu não estou faltando com a verdade. Toda Anápolis sabe que no CEL da OAB, no início deste ano teve uma festa dos presidentes de comissões. O senhor não foi convidado, e nem sua família, porque o senhor não era presidente de comissão. O senhor era vice-presidente, no qual o senhor afastou para se candidatar em Abadiânia. Por isso não foi convidado. Mas ouve sim a festa, os familiares vieram e se hospedaram em Anápolis e a festa foi no CEL da OAB, em Anápolis. Nós não sabemos de onde que foi retirado, e quem pagou essa festa. Porque foi convidado só os presidentes de comissões e seus familiares? Nós esperamos que cada um tenha pago sua estadia em Anápolis. Porque, se faz festa é para todos os advogados, e não só para presidente de comissão. Nós repudiamos essa festa. Foi no inicio do ano, e todos os advogados sabem dessa festa. Muitos advogados reclamaram dessas festas.

 

Tréplica de Ronivan Júnior – o senhor está fazendo acusações vazias. Um tipo de política partidária comum. Aponte-me nomes, e mostrar que eu participei… Eu moro em Anápolis. Tenho residência aqui. Não gasto dinheiro com hospedagem ou o que quer que seja. O senhor está mentindo. O senhor tome cuidado, senhor Gilmar temos uma lei, hoje, que nos garante o direito de resposta e a denunciação caluniosa. O senhor terá que provar isso.

 

2ª RODADA

 

Pergunta de Ronivan Júnior – Nas suas propostas o senhor propõe a criação da procuradoria da defesa das prerrogativas. Assalariando tais procuradores com os mesmos proventos dos procuradores federais. Diga de passagem, em torno de R$ 30 mil. De onde o candidato pretende tirar tal verba? Como, com a criação de tal procuradoriaserá extinta as prerrogativas das subseções?

Resposta de Talmon Pinheiro – a criação da procuradoria não é algo inédito. Ela segue o mesmo modelo do conselho federal da OAB. A remuneração não é essa que o senhor está aludindo. A remuneração é a mesma do procurador da OAB federal, em torno de R$ 17 mil. De onde se tirará esse dinheiro? Se tirará justamente na economia dos gastos excessivo que a OAB tem hoje. Sabemos que a OAB tem gastos de R$ 500 mil em lanches, R$ 300 mil em aluguel de aeronave e embarcações. Gastos esses que ninguém sabe justificar como. Esse total de despesa com os procuradores da prerrogativa não chegará nem a 2% do orçamento da OAB e vai atingir um número necessário de advogados, porque a maior queixa dos advogados hoje são as prerrogativas. Mesmo que eu viesse a gastar R4 50% do orçamento da OAB, seria um dinheiro bem empregado. Mas vamos gastar só 2%. Eu acredito que hoje, com a criação da procuradoria de nossas prerrogativas vamos diminuir os problemas que se repetem no fórum, tribunais e repartições públicas, onde nossos advogados estão tendo constantemente nossas prerrogativas violadas.

 

Réplica de Ronivan Júnior – com todo respeito. O senhor não respondeu se vai extinguir a comissão de prerrogativa de nossa subseção. A lei federal no estatuto de advocacia, prevê no seu artigo 61, inciso 2, que cabe a subseção a defesa de suas prerrogativas. Hoje nós temos no estado 46 subseções, 109 delegacias e sendo que cada uma delas tem um advogado que defende a sua prerrogativa. Você instituir uma comissão ganhando R$ 17 ou R$ 30 mil, ao final do ano com 13º salário e encargos sociais, certamente chegará a margem de R$ 1 milhão. Como você advogado que precisa de um atendimento da prerrogativa a tempo e a hora, confiará e sairá de casa, sabendo que tem meia dúzia de não sei como que serão selecionadas as partes que irão defender os seus interesses. Isso é eleitoreiro e inviável para OAB.

 

Tréplica de Talmon Pinheiro – Não é eleitoreiro e não é inviável. Já foram feitas as contas. Isso vai gastar 2% do orçamento. Basta ter gestão dentro da OAB, cortar os gastos excessivos, basta ter austeridade. Tendo isso, os procuradores estarão lá para atender a todos. Essa é uma medida urgente para nossa seccional goiana e urgente para nossa subseção.

 

3ª RODADA

 

Pergunta de Talmon Pinheiro – Doutor Gilmar, o senhor acha que nossa OAB goiana é transparente?

 

Resposta de Gilmar Alves – Não acho. A OAB Goiás não tem transparência. Aqui em Anápolis nós estamos tipo pau mandado. Existe uma submissão, não só de Anápolis, mas de todo o estado, em relação a Goiânia. Capital que comanda e centraliza o poder. É por isso que a OAB transparente, que é a chapa que sou candidato a presidente, defende a descentralização. Queremos fazer o portal da transparência em Anápolis. Ou a gente, todos os jornais, todas televisões, rádios e 70% dos advogados de Goiás, estão completamente errados. Porque em todos os jornais falam que está devendo, que falta dinheiro para pagar funcionário. Porque isso? Eu não acredito que isso seja roubalheira, ou desvio de verba. Eu acredito em não saber dirigir. Não saber gerir. Dirige mal. Uma empresa qe é dirigida mal ela quebra, fali… A nossa OAB Goiás está completamente falida. Estão colocando prédios sob penhora, saindo no jornal os números dos rombos e ninguém sabe o quanto ela deve realmente. Queremos aqui em Anápolis um controle para saber o quanto se envia para Goiânia, quanto que retorna e como que gasta esse dinheiro. Todo mundo fala de festas no OAB goiana, eu não tenho provas para isso aí. Eu tenho provas da festa que eu vi aqui em Anápolis, e eu tenho certeza de que não foi a presidente na cidade, o senhor Antônio Heli que bancou essa festa. Até por que, quem banca tudo é Goiânia. A gente não banca nada. Com essa transparência, tem advogado não sabia que festa era essa. Todo advogado sabe disso. Eu quero saber de onde vem o dinheiro/; foi da entidade ou do bolso de alguém?

 

Réplica de Talmon Pinheiro – eu concordo com o que você fala. Nesse ano tivemos um grande escândalo dentro da OAB, que foi a descoberta desse rombo milionário, de mais de R$ 13 milhões, que surgiu devido a briga que houve no grupo dominante. Sabemos que a OAB está quebrada. Depois de mais de 80 anos de OAB em nosso estado estamos com grandes dívidas e com até os salários dos funcionários atrasados.

 

Tréplica de Gilmar Alves – Eu fico feliz de ver que o senhor faz parte também desse grupo de advogados que querem uma OAB transparente. Água quando é suja, ela não é transparente. A água tem que ser boa para beber. De maneira que não acredito que houve desvio de verba que alguém roubou. Acho que o erro foi em não saber dirigir, com cuidado e ética para com o advogado.

 

5º BLOCO

 

1ª RODADA

 

Pergunta de Gilmar Alves  – Candidato Ronivan Junior, sabemos que em debate as vezes a gente acelera a respiração e a voz pela empolgação que trás o debate. Posso lhe afirmar que estou completamente sereno. As palavras que saem de minha boca é porque nunca ninguém as perguntou. Na minha vida cotidiana eu costumo andar na verdade. E se algum dia alguém me perguntar o que eu falei aqui eu vou continuar respondendo. Eu queria saber o que o senhor pensa sobre a arrecadação e a anuidade que o advogado paga ordem em Anápolis. o arrecadado dos alugueis, do estacionamento e das Xerox? Eu queria saber se essa arrecadação vai continuar indo pra Goiânia e nós vamos ter que continuar, ir com o pires na mão para consertar tantas coisas que precisam ser consertadas em Anápolis?

 

Resposta de Ronivan Júnior – De forma serena também lhe respondo. Para se alterar a forma desse repasse teremos que alterar a lei federal, de imediato. Como não conseguimos fazer isso de forma imediata, o que nós temos que perceber é que Anápolis é hoje, estruturalmente, uma das melhores instituições do País. Tanto pelas suas dependências físicas, como o CEL da OAB e a sede administrativa que será entregue em breve. Inclusive ontem recebi um email da ordem notificando que as nossas eleições serão feitas lá. Respondendo sobre a questão a anuidade: temos duas realidades. Temos a realidade dos advogados de Anápolis e Goiânia, que utilizam de forma mais veemente os serviços da Ordem. E a segunda realidade que são os advogados do interior. Treze cidades que compõe a nossa subseção, sendo das treze, nove delegacias. Então o que temos que implementar, é levar ao advogado do interior e apresentar onde estão os benefícios da OAB. Mostrar que para ele usar a Casag, seja num plano de saúde só o desconto que ele tem, ele já paga a anuidade. Quando se faz um curso, tem desconto na anuidade, quando se tem um convênio da Casag no interior em postos, farmácia, academias, vamos levar ao advogado os benefícios que ele tem direito. Justificando o valor que a OAB cobra e distribui o serviço.

 

Réplica de Gilmar Alves – O senhor é candidato a presidência, doutor Talmon, como eu. Eu quero informar aos senhores que quem for eleito vai ter trabalho demais. Temos um clube que precisa ser reformado. Hoje precisamos trocar os azulejos que as pessoas cortam os pés lá dentro. Temos que reformar estacionamento e fazer uma ampla reforma no clube, que não vai ficar por menos de R$ 100 mil. Se temos dificuldades para fazer um parlatório, que teve que fazer reunião, isso par ao advogado usar. Imagina para reformar um clube, que seria uma obra desse tamanho. A subseção realmente está precisando ir ao interior. Hoje quanto quebra uma impressora no fórum, é a maior dificuldade. Não queremos criar uma nova ordem. Queremos criar uma descentralização para que o dinheiro arrecadado aqui, volte em benefícios para Anápolis, algo que não está acontecendo.

 

Tréplica de Ronivan Júnior – Me surpreende, e até decepciona, o senhor apontar, na qualidade de presidente da comissão de esporte, cultura e lazer, apresentar essas tantas dificuldades, que na minha visão é o contraditório eleitoreiro. Sabemos que tem dificuldades e que precisa de reformas. Mas esquece de dizer que estamos construindo outro salão dentro do clube que vai atender a um publico de em torno de 150 pessoas. Para o advogado.

 

2ª RODADA

 

Pergunta de Ronivan Júnior – Talmon, o senhor, nas suas considerações nos informou que já participou de comissões e foi conselheiro seccional pela OAB forte a época. Na sua visão qual importância dos conselheiros seccionais para administração de nossa subseção?

 

Resposta de Talmon Pinheiro – Eu fui conselheiro da OAB de Goiás. Não fui conselheiro da OAB forte. O senhor está equivocado quanto a isso. E fui conselheiro durante três anos e me decepcionei profundamente com a forma que a OAB era conduzida. Tanto que ao final da gestão de Miguel Cançado, tanto que ao final eu não quis me candidatar, porque eu vi que aquele pessoal só pensa no bem próprio. Era uma cúpula que só está vinculada a projetos políticos pessoais. Então me afastei. Ratifico que não fui conselheiro de OAB forte, e sim da OAB de Goiás. E como conselheiro da OAB de Goiás eu também me decepcionei. O papel do conselheiro é assessorar o presidente no seu dia a dia, aconselhar a entidade nas decisões. Mas lá, infelizmente esse grupo que domina a OAB há mais de 20 anos, o conselheiro não serve para nada. Ele só serve para referendar o que eles decidem na cúpula. Eu me decepcionei muito com isso. Eu quero dizer que agora, com novo conselho que será feito com a eleição do doutor Lucio Flávio, o conselheiro vai restaurar a sua função primordial que é justamente assessorar a OAB e o seu presidente, além de fazer uma gestão participativa e plural. Uma gestão para todo advogado terá voz e vez por meio de seu conselheiro.

 

Réplica de Ronivan Júnior – Eu respeito e sempre respeito o senhor. Eu não entendo ser demérito o senhor dizer que foi conselheiro pela OAB forte. Mas essa não é a questão. Eu perguntei qual a importância dos conselheiros para as subseções. Eu digo que ela é essencial. Todas as propostas que queremos fazer, como ampliação do duodécimo, da defesa dos advogados de Anápolis, nos dependemos da atuação de nossos conselheiros. Temos a oportunidade agora, pela chama 11, de eleger pela primeira vez na história de eleger seis conselheiros estaduais e um federal. O que trás uma força e representatividade nunca vista pelos advogados de Anápolis. Entendo a importância  de nossos conselheiros como forma de nos representar e levar o nome de Anápolis na defesa de seus direitos dentro da seccional.

 

Tréplica de Talmon Pinheiro – realmente, se os conselheiros de Anápolis atuassem mesmo, pra valer, não teríamos tantos problemas como foi colocado aqui. O nosso clube que se encontra em péssimo estado, conforme é atestado por todos que ali frequenta. Eu posso dizer isso porque estou lá todas as semanas. Eu gostaria muito que um conselheiro se colocasse a disposição de nossa subseção, o que não temos visto ultimamente. O conselheiro ultimamente é uma figura absolutamente inútil em nossa subseção.

 

3ª RODADA

 

Pergunta de Talmon Pinheiro  –  Doutor Gilmar, como é sabido, o respeito é um valor universal. O senhor sabe que o advogado tem dever moral e legal de respeitar o colega, conforme determina o nosso código de ética no artigo 44. O senhor sabe que eu fui desrespeitado e ofendido pelo advogado que é apoiador da chapa de situação em um grupo de whatsapp, de qual o candidato da situação também faz parte. E ele, o candidato não fez nada. Os advogados de Anápolis ficaram preocupados com essa situação. O senhor não. O senhor me prestou solidariedade, inclusive com nota de esclarecimento nas redes sociais. O que o senhor acha sobre esse tema? Um advogado merece ser desrespeitado por pessoas que inclusive faz parte do circulo do candidato da chapa de situação?

 

Resposta de Gilmar Alves – O senhor está no auge, está nas televisões por causa do jure de um cliente. Lá tinha um rapaz que tinha matado a sua avó, sua Irma e seus dois irmãos. O compromisso que fiz quando a doutora Lara, juíza me chamou fazer para o júri, porque quase ninguém queria fazer, era que eu tinha que respeitar ele como cliente. O advogado, ele não é só advogado, ele é psicólogo, padre, pastor, pai de santo, marido, tudo, bissexual. Isso porque ele atende a todas as pessoas e tem que entender o problema de todas as pessoas. Nós não podemos de maneira alguma ter discriminação com qualquer pessoa que seja. Nem com nossos clientes, que são negros, brancos, gaúchos, mulher, homem, é qualquer pessoa. Então eu sou contra a discriminação sim. Contra qualquer tipo. Eu não tenho discriminação e não posso ter. se eu tiver, vou ter que escolher meus clientes. Eu não escolho. Eu sou advogado criminalista, e tenho um juramento com Deus e com a OAB de que defenderia qualquer pessoa que precisar de defesa. Nesse caso especifico desse jure, se não houvesse defesa, ele teria sido solto. A juíza teria que ter soltado, não existe prisão perpetua e já tinha excesso de prazo. Ele não pode ser discriminado. Tem que ser defendido. Não pode haver discriminação na nossa classe. Na OAB, os advogados têm que ser superior a tudo, senão não será um bom advogado.

 

Réplica de Talmon Pinheiro – Eu fui desrespeitado num grupo de Whatsapp, e isso gerou uma indignação muito grande no meio da classe. Mostrou que integrantes, que apóiam o candidato de situação não tem respeito pelo advogado. Não tem respeito pela pessoa humana. Isso deixou toda classe indignada. Quero deixar aqui também novamente o repudio por essa situação.  Quero deixar claro que tomei todas providencias em relação a isso. Vamos ter audiência na semana que vem sobre isso. Fiz todas representações necessárias para o caso. Novamente quero ratificar que o advogado deve respeitar o advogado em qualquer situação. E não se posicionar de forma de galhofa, ou zombaria, como vemos determinados advogados nesses grupos, tentando denegrir a imagem de outros, oq eu é muito condenável, abominável e inaceitável.

 

Tréplica de Gilmar Alves – Bem recentemente o médico seria o profissional mais importante. Porque ele mexe com vidas. Depois de Deus ele tinha o poder, pelas mãos de Deus para salvar as pessoas. Foi mudando a credibilidade. Hoje o advogado tem que ter credibilidade, ser honesto, ser tudo na vida para entender o seu cliente. Ele jamais poderá frustrar os desejos de seu cliente. Tem que ter transparência. Tem que ter respeito. O advogado tem que ser o profissional mais honesto do Brasil.

Deixe um comentário