Home Política Escolha do secretariado do prefeito eleito Roberto Naves agita os bastidores políticos

Alguns nomes já são ditos com maior frequência nos bastidores políticos como possíveis membros para compor o primeiro escalão da Prefeitura de Anápolis em 2017

DA REDAÇÃO

O prefeito eleito Roberto Naves (PTB) acabou optando por não anunciar o secretariado no último dia 15, como se cogitava, mas alguns nomes já são ditos com maior frequência nos bastidores políticos como possíveis membros para compor o primeiro escalão da Prefeitura de Anápolis.

Como já tinha adiantado o JE na edição do dia 3 de dezembro, a psicóloga Luzia Cordeiro deve mesmo ocupar a Secretaria Municipal de Saúde. A ex-secretaria de Gestão de Recurso Humanos do governo petista faz parte da equipe de transição de Roberto e se dedica, sobretudo, aos assuntos ligados à área, um dos maiores orçamentos da prefeitura. O Fundo Municipal de Saúde tem previsão de recursos na ordem de R$ 282 milhões para 2017.

Alex Martins, que já foi da UEG e ocupou a direção-geral da Companhia Municipal de Trânsito e Transportes (CMTT) no governo atual, deve ser anunciado como secretário municipal de Educação. Completa a trinca de petebistas o ex-presidente do partido, Geraldo Lino, possivelmente o futuro ocupante da Secretaria Municipal da Fazenda – ele já foi secretário de Gestão e Planejamento da atual administração.

O empresário da área de comunicação Vander Lúcio Barbosa, do jornal Contexto, deve assumir a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Agricultura. Vander segue os passos do principal nome do PTN em Goiás, o deputado federal Alexandre Baldy, que já ocupou a Secretaria de Indústria e Comércio – extinta no início do atual governo Marconi Perillo (PSDB).

O ex-presidente da Câmara Municipal de Anápolis Gérson Santana, candidato a vereador pelo PRB, é cotado para a chefia de gabinete do prefeito. Ele tem acompanhado sempre o prefeito eleito em compromissos oficiais. Outro que faz parte da equipe de transição e deve estar no primeiro escalão da próxima gestão é Daniel Fortes, possível secretário municipal de Obras, Serviços Urbanos e Habitação. Fortes já foi diretor de Habitação da gestão petista.

O delegado Glayson Reis, professor de Direito, pode ocupar a Assessoria Especial de Segurança Pública – ele possui um elaborado projeto na área para ser implantado especificamente por administrações municipais.

O ex-vice-presidente da OAB Anápolis, advogado Lúcio Flávio Mendes Cruccioli, foi mencionado essa semana para a vaga de procurador-geral do Município. Também foi dito que a futura primeira-dama, Vivian Cristina Albernaz, pode ocupar alguma função na gestão de Roberto Naves – uma das possibilidades seria a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social.

Nessa sexta-feira (16), o vice-prefeito eleito de Anápolis, Márcio Cândido (PSD), anunciou que ocupará uma pasta. A mais cotada é a Secretaria de Governo. Embora seja profissional da área da imprensa, Márcio não deve ficar na Secretaria de Comunicação Social. O nome cotado para a área é do radialista Nilson Sousa, que foi candidato a vereador pelo PSL no último pleito. A Secom, inclusive, pode ser extinta na reforma administrativa prometida pelo prefeito eleito já no início do seu mandato.

Para a Secretaria Municipal de Esportes aparecem dois nomes, o vereador eleito Domingos Paula de Souza (PV) ou o empresário Nassin Farah, que disputou mandato de vereador pelo PTN essa última eleição.

O prefeito eleito tinha dito inicialmente que anunciaria todos os nomes de seu secretariado de uma única vez. Agora, pode divulgar os titulares das principais pastas paulatinamente. O que se sabe é que haverá um evento de apresentação de sua equipe, juntamente com a passagem de cargo, no dia 1º de janeiro, independentemente da posse que acontece em sessão da Câmara Municipal.

1 resposta a este post
  1. Se esse ex da cmtt não fez uma boa gestão .Pq continuar em outras pastas. Eu falo e provo. Um ex o que ele na rua floriano Peixoto sentido avenida Pedro Ludovico.

Deixe um comentário