Image
Home Política Escolha do secretariado do prefeito eleito Roberto Naves agita os bastidores políticos

Alguns nomes já são ditos com maior frequência nos bastidores políticos como possíveis membros para compor o primeiro escalão da Prefeitura de Anápolis em 2017

DA REDAÇÃO

O prefeito eleito Roberto Naves (PTB) acabou optando por não anunciar o secretariado no último dia 15, como se cogitava, mas alguns nomes já são ditos com maior frequência nos bastidores políticos como possíveis membros para compor o primeiro escalão da Prefeitura de Anápolis.

Como já tinha adiantado o JE na edição do dia 3 de dezembro, a psicóloga Luzia Cordeiro deve mesmo ocupar a Secretaria Municipal de Saúde. A ex-secretaria de Gestão de Recurso Humanos do governo petista faz parte da equipe de transição de Roberto e se dedica, sobretudo, aos assuntos ligados à área, um dos maiores orçamentos da prefeitura. O Fundo Municipal de Saúde tem previsão de recursos na ordem de R$ 282 milhões para 2017.

Alex Martins, que já foi da UEG e ocupou a direção-geral da Companhia Municipal de Trânsito e Transportes (CMTT) no governo atual, deve ser anunciado como secretário municipal de Educação. Completa a trinca de petebistas o ex-presidente do partido, Geraldo Lino, possivelmente o futuro ocupante da Secretaria Municipal da Fazenda – ele já foi secretário de Gestão e Planejamento da atual administração.

O empresário da área de comunicação Vander Lúcio Barbosa, do jornal Contexto, deve assumir a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Agricultura. Vander segue os passos do principal nome do PTN em Goiás, o deputado federal Alexandre Baldy, que já ocupou a Secretaria de Indústria e Comércio – extinta no início do atual governo Marconi Perillo (PSDB).

O ex-presidente da Câmara Municipal de Anápolis Gérson Santana, candidato a vereador pelo PRB, é cotado para a chefia de gabinete do prefeito. Ele tem acompanhado sempre o prefeito eleito em compromissos oficiais. Outro que faz parte da equipe de transição e deve estar no primeiro escalão da próxima gestão é Daniel Fortes, possível secretário municipal de Obras, Serviços Urbanos e Habitação. Fortes já foi diretor de Habitação da gestão petista.

O delegado Glayson Reis, professor de Direito, pode ocupar a Assessoria Especial de Segurança Pública – ele possui um elaborado projeto na área para ser implantado especificamente por administrações municipais.

O ex-vice-presidente da OAB Anápolis, advogado Lúcio Flávio Mendes Cruccioli, foi mencionado essa semana para a vaga de procurador-geral do Município. Também foi dito que a futura primeira-dama, Vivian Cristina Albernaz, pode ocupar alguma função na gestão de Roberto Naves – uma das possibilidades seria a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social.

Nessa sexta-feira (16), o vice-prefeito eleito de Anápolis, Márcio Cândido (PSD), anunciou que ocupará uma pasta. A mais cotada é a Secretaria de Governo. Embora seja profissional da área da imprensa, Márcio não deve ficar na Secretaria de Comunicação Social. O nome cotado para a área é do radialista Nilson Sousa, que foi candidato a vereador pelo PSL no último pleito. A Secom, inclusive, pode ser extinta na reforma administrativa prometida pelo prefeito eleito já no início do seu mandato.

Para a Secretaria Municipal de Esportes aparecem dois nomes, o vereador eleito Domingos Paula de Souza (PV) ou o empresário Nassin Farah, que disputou mandato de vereador pelo PTN essa última eleição.

O prefeito eleito tinha dito inicialmente que anunciaria todos os nomes de seu secretariado de uma única vez. Agora, pode divulgar os titulares das principais pastas paulatinamente. O que se sabe é que haverá um evento de apresentação de sua equipe, juntamente com a passagem de cargo, no dia 1º de janeiro, independentemente da posse que acontece em sessão da Câmara Municipal.

1 resposta a este post
  1. Se esse ex da cmtt não fez uma boa gestão .Pq continuar em outras pastas. Eu falo e provo. Um ex o que ele na rua floriano Peixoto sentido avenida Pedro Ludovico.

Deixe um comentário