Home Economia Setor imobiliário de Anápolis deve reagir a partir de 2018, diz presidente...

Previsão é feita pelo presidente da Associação de Imobiliárias de Anápolis, que diz ainda que agora não é um bom momento para vender

ANA CLARA ITAGIBA

O setor imobiliário é um dos que mais tem sofrido com a crise econômica que afeta o país nos últimos anos. O excesso de lançamentos aliado a diminuição de demanda teve como resultado a redução dos preços dos imóveis. Mas de acordo com o presidente da Associação das Imobiliárias de Anápolis (AIA), Frederico Godoy, o cenário está mudando aos poucos.

“Até pouco tempo só saia produto ‘Minha Casa, Minha Vida’, só que agora não, já começou a vender apartamento fora desse produto. Tem umas construtoras de fora que tem feito campanhas muito boas de marketing e graças a Deus estamos tendo uma reação”, afirma Frederico.

Recentemente o presidente da AIA participou do Congresso Nacional de Corretores de Imóveis e disse que os economistas apontam para um futuro onde as construtoras venderão tudo que estiverem no “estoque”. “Agora está tudo voltando ao que nós consideramos normal, o que eu acho que é muito bom”.

A expectativa de Frederico é que a partir de março de 2018 o mercado imobiliário comece a reagir melhor, mas devido às eleições poderá dar uma estagnada e voltar a dar bons resultados em 2019.

Para quem pretende investir e tem dinheiro para isso é um bom momento, já que vai comprar a casa de uma pessoa que precisa vender com urgência e colocará o preço lá embaixo. Já quem quer vender, não fará um bom negócio, pois nesse momento um imóvel sairá mais barato. “Se a pessoa não precisar, é melhor não vender o imóvel. O momento é de ficar quieto e esperar o mercado ter uma reação maior porque começou a reagir, mas como se diz, tirou só o nariz de fora da água está começando a respirar um pouco melhor”, aconselha o presidente do AIA.

Além disso, a Prefeitura de Anápolis pretende diminuir o Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) de 1,5% para 0,5%, nas casas do ‘Minha Casa, Minha Vida’. Em contrapartida, o Executivo quer aumentar para 2% o ITBI para os imóveis que não se encaixam neste programa. Frederico aprova a diminuição do imposto para as famílias de baixa renda, mas não concorda com o aumento dela em outros casos.

“O preço final do ‘Minha Casa, Minha Vida’ é R$ 165 mil. Passou disso não tem mais o subsídio do Governo Federal. As casas desse programa é o que mais se consome em quantidade, mas em valor não é. Um apartamento de R$ 400 mil já equivale a três imóveis do programa. Eles só falaram em off, mas antes de ganhar força, nós já estamos fazendo um movimento contrário”, conta.

Cartórios
De acordo com Frederico, a relação dos empresários do setor de construção civil e os corretores de imóveis com os donos de cartórios em Anápolis não tem sido tão ordeira. “Anápolis é divida por dois cartórios. A Rua Barão do Rio Branco divide para o lado direito e para o lado esquerdo. O lado esquerdo é o lado do 1º Cartório de Registro de Imóveis, mas há uma dificuldade enorme para conseguir registros lá. A burocracia está muito grande, não conseguimos falar com o dono do cartório e eles não recebem ninguém”, explica.

Na terça-feira (31), a Associação das Imobiliárias de Anápolis (AIA) se reuniu com o Fórum Empresarial para discutir essa situação. “A pessoa quer comprar, o corretor quer vender e isso é uma cadeia. O mercado está reagindo, só que não podemos esbarrar nesse problema do cartório. Eles devem pôr na cabeça que dependem do setor imobiliário. Os empresários que estão revoltados, todos tem áreas para fazer loteamento. Se não tiver loteamento, não vai ter movimento, não tem escritura, não tem nada. Então depende de nós e a relação precisa ser harmônica”, defende o presidente do AIA.

Na oportunidade, ficou acertado que o AIA e o Fórum Empresarial farão uma carta relatando o problema e será encaminhada para a Corregedoria Geral da Justiça de Goiás (CGJGO), responsável por fiscalizar os cartórios.

Deixe um comentário