Home Política Mudanças no secretariado só após dia 30, revela prefeito Roberto

Roberto Naves admite necessidade de nomear secretários para as pastas ocupadas interinamente, mas afirma que até o dia 30 de janeiro não deve ser anunciado nenhum nome para o primeiro escalão

FERNANDA MORAIS

Após um ano de gestão, o prefeito Roberto Naves (PTB) terá que promover mudanças no seu secretariado devido ao processo eleitoral. Ele aproveitará para também definir os nomes de pastas ocupadas por secretários interinos. A partir do segundo semestre do ano passado, o petebista ficou impedido de nomear novos servidores porque o gasto com pessoal ultrapassou o limite prudencial estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Com isso, auxiliares que deixaram a gestão foram substituídos por nomes do primeiro escalão que já estavam nomeados, acumulando funções. A expectativa do prefeito é que esse impeditivo seja revogado neste início do ano e ele, enfim, possa completar o secretariado.

A principal substituição deve ser na Secretaria Municipal de Defesa do Consumidor (Procon), já que o titular, Valeriano Abreu, é nome certo do PSC para a disputa de deputado federal. Nesta última semana, em entrevista à Rádio Manchester AM, Roberto Naves confirmou que essa deve ser a “baixa número um” do primeiro escalão devido ao processo eleitoral. Resta saber se o PSC continuará com a pasta, tendo o direito, então, de indicar outro nome ao prefeito.

“Até agora temos confirmado o Valeriano e acredito que deve ser o único [a sair]. Ele já nos procurou e conversamos sobre a situação”, declarou Roberto, acrescentando que pelo menos até o dia 30 de janeiro não deve ser anunciado nenhum novo nome para compor o secretariado municipal.

Existe a possibilidade de o diretor-geral da Companhia Municipal de Trânsito e Transportes (CMTT), Carlos César Toledo, se candidatar a deputado estadual pelo DEM. Ele mesmo admite que está na lista de possíveis nomes para a campanha, ao lado de outros filiados, como o ex-vereador Miguel Marrula e o médico Pedro Paulo Caiado Canedo.

Outra possibilidade é do vice-prefeito Márcio Cândido (PSD) também disputar uma vaga na Assembleia Legislativa. Nesse caso, ele teria que se desincompatibilizar da Secretaria de Governo e Recursos Humanos. Nomes de segundo escalão aparecem como possíveis candidatos. É o caso do ex-vereador Sargento Pereira Júnior (PSL), hoje responsável pela Fiscalização e Posturas.

A recomposição nas secretarias hoje ocupadas por interinos deve ser mais profunda. São quatro pastas. A Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Agricultura hoje tem como responsável o assessor especial de Segurança Pública, Glayson Reis. Ela tinha como titular o empresário Vander Lúcio Barbosa, que na época que assumiu o cargo era cota do Podemos (Ex-PTN). Ele acabou deixando o partido, continuou na pasta, mas resolveu deixá-la no final do ano.

O secretário interino de Esportes hoje é Gérson Santana (PRB), que no começo do mandato estava na Chefia de Gabinete. A pasta era cota do PV, com Victor Emanuel Ribeiro, a primeira baixa do primeiro escalão.

O prefeito também quer um nome definitivo para a Secretaria de Desenvolvimento Social, Trabalho, Emprego e Renda. Com a saída de Nair Moura Vieira, a pasta está sendo ocupada interinamente por Rodolfo Valentini, que é presidente do Issa.

Roberto Naves também terá que nomear alguém para o lugar do advogado Arinilson Mariano, que deixou a Controladoria-Geral do Município. O órgão hoje tem como interina a servidora da Procuradoria-Geral do Município Alaine Alves Valim.

“É complexo porque temos que fazer a reforma garantindo a redução da despesa com pessoal”, explicou o petebista, acrescentando que mesmo com as baixas no seu primeiro escalão, ele está satisfeito com o resultado que seus secretários alcançaram no primeiro ano de mandato.

“Tanto os assessores que saíram por motivos particulares quantos aqueles que ainda estão conosco, são pessoas de coragem, que nos ajudaram a passar por dificuldades financeiras nesse primeiro ano de administração. Então além das secretarias interinas, eu não vejo mudanças no quadro que temos hoje”, afirmou.

Em relação à nomeação para as pastas que são ocupadas por secretários interinos, Roberto Naves afirmou que vai manter a premissa de se cercar de assessores que tenham capacidade técnica e experiência dentro da atividade que vão exercer no poder público. Segundo ele, a prioridade é garantir atendimento a contento e qualidade de vida para a população.

Eleições
Em relação às eleições de outubro deste ano, o prefeito falou que sempre é cobrado para que Anápolis consiga aumentar sua representatividade na Assembleia Legislativa. O petebista defendeu que os partidos se organizem e lancem nomes competitivos pela cidade, mas com cautela para evitar a pulverização dos votos como tem acontecido nos últimos pleitos. A exemplo das eleições de 2014, quando só Carlos Antônio (PSDB) foi eleito deputado estadual pelo município.

“Não tenho o direito de definir quem será ou quem não será o candidato. Como prefeito eu tenho a função de alertar que se sair grande quantidade de candidatos, elegeremos novamente um deputado, no máximo dois. No caso do PTB estamos trabalhando para encontrar um nome de consenso e assim ajudar a cidade”, disse Roberto acrescentando que como gestor municipal seria ideal ter uma bancada maior na Assembleia Legislativa para aumentar a força política da cidade junto ao Estado.

SED
Roberto Naves falou ainda sobre a necessidade de garantir a permanência de um anapolino frente à Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico, Científico e Tecnológico, Agricultura, Pecuária e Irrigação (SED), que hoje é ocupada por Francisco Pontes, empresário no Daia.

“Essa secretaria continua com a cidade em 2018. Estamos satisfeitos com Francisco, que abriu mão da sua vida pessoal e profissional para se dedicar a função de secretário estadual. Temos que escutá-lo, saber da sua disposição em continuar ou não no cargo. Pelo PTB não tem problema algum com a sua permanência no governo representando a nossa cidade”, concluiu Roberto.

Deixe um comentário