O material estava em uma empresa de reciclagem

Cerca de duas toneladas de embalagens vazias de agrotóxicos foram apreendidas por fiscais da Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa), em uma empresa de reciclagem localizada em Anápolis. A operação foi realizada na segunda-feira (2/3) com apoio de agentes do Grupo Tático Ambiental da Polícia Militar, após denúncia feita à Agência. Conforme informações obtidas no local, o material era proveniente de catadores de material reciclável e de compra ilegal em propriedades rurais da região de Silvânia e Leopoldo de Bulhões.

Além da apreensão das embalagens vazias, a Agrodefesa aplicou multa que pode variar de R$ 20 mil a R$ 50 mil à empresa de reciclagem. Quanto ao proprietário foi incriminado e responderá processo em juízo. A legislação federal e as normativas do Estado de Goiás que regem o comércio, armazenamento, uso e destinação final de embalagens vazias de agrotóxicos veta, terminantemente, o aproveitamento ou a reciclagem de embalagens vazias de forma ilegal, pelo risco que representam para o meio ambiente e para as pessoas, já que os resíduos são tóxicos. Desse modo, a Agrodefesa cumpre seu papel de fiscalizar práticas ilegais e contribui para prevenir doenças.

Destinação

A legislação prevê que todas as embalagens, após o uso dos produtos, sejam lavadas por três vezes e devolvidas em postos ou centrais de recebimento, habilitados para receber e dar a destinação final a elas. No caso do material apreendido em Anápolis, será destinado a uma central de recebimento de embalagens vazias para os devidos cuidados, após perícia da Polícia Militar. A operação foi conduzida pelos fiscais estaduais agropecuários Geraldo Santana e Marcelo Corte Real e pelo agente fiscal Guilherme Alves, sob supervisão do coordenador da Regional Rio das Antas em Anápolis, Renan Martins de Abreu. Qualquer suspeita de uso ou destinação indevidos de embalagens de agrotóxicos pode ser comunicada à Agência pelo telefone 0800 6461122.

A Agrodefesa alerta e faz apelo a todos os produtores rurais do Estado para que deem a destinação correta às embalagens vazias de agrotóxicos, não permitindo, sob qualquer hipótese, que sejam utilizadas por pessoas como vasilhas domésticas ou que sejam vendidas ou doadas para catadores de material reciclável. As embalagens devem ser lavadas e perfuradas em até um ano após a compra. E que sejam devolvidas somente em postos ou centrais habilitados, cujos endereços devem constar nas notas fiscais de venda.

Assessoria de Comunicação Agrodefesa

Mais informações: (62) 3201-3546

Deixe um comentário