Ad

Decisão foi tomada com a participação de pais, profissionais e até alunos

Fonte: Prefeitura de Anápolis

Foto: Divulgação

A Secretaria Municipal de Educação, após suspender aulas presenciais no dia 18 de março como forma de contenção do contágio da COVID-19, passará a oferecer ensino não presencial a partir da próxima semana, como forma de manter o vínculo estudantil, revisar e ofertar novos conteúdos aos alunos da rede. Com início previsto para o dia 3, a data será publicada em breve em portaria no Diário Oficial do Município.

Nesta quinta-feira, 28, o prefeito Roberto Naves manifestou sua preocupação, sobretudo, com o vínculo entre o estudante e a escola. “Como não sabemos quanto tempo essa situação pode se alongar, é importante que voltemos de forma responsável. Nós precisamos voltar ao convívio, a estabelecer essa relação, que é também afetiva em relação ao professor, de respeito, de carinho”, disse.

As aulas serão realizadas para todas as faixas etárias atendidas pela rede (educação infantil, anos iniciais e anos finais) através de plataformas digitais como o Google Meet e Classroom, e ministradas pelos professores de cada turma com vídeos e material didático. A todos aqueles que, por algum motivo, não puderem ser alcançados por meios digitais, será oferecido um manual de estudos impresso que poderá ser buscado nas unidades escolares ou, em alguns casos (como dos alunos da zona rural), entregue em suas residências – de forma que todos tenham igual acesso ao ensino.

Para os alunos atendidos pelo Centro Municipal de Apoio à Diversidade (CEMAD) serão ofertados os meios necessários para que o ensino seja acessível, como intérpretes de libras, material impresso em braille, por exemplo. Já os estudantes com dificuldade de aprendizagem, o professor de Atendimento Educacional Especializado (AEE) ficará responsável por elaborar estratégias personalizadas para atingir o aprendizado em cada caso específico.

Planejamento

Uma comissão técnica formada pela secretária municipal de Educação, Sonja Maria Lacerda, servidores da SEMED e entidades ligadas à área, iniciou os estudos e levantamentos necessários para uma tomada de decisão no dia 11 de maio, além de discutir a melhor forma de oferecer o ensino sem comprometer a saúde ou colocar em risco os alunos, suas famílias e os profissionais da Educação.

A secretária falou sobre a importância de se pensar em todas as consequências do ensino não presencial antes de iniciá-lo. “Todas as implicações da modalidade escolhida tiveram que ser vistas e revistas. Ouvimos a opinião de pais, professores, diretores, e até mesmo de alunos, para que nossas decisões fossem adequadas à realidade de cada estudante e, de fato, eficazes. Esse não é o tipo de decisão que se pode tomar do dia para a noite”, disse Sonja, explicando que o Portal da Educação foi uma iniciativa da Secretaria para oferecer atividades durante o período em que os alunos ficariam ociosos. “Até que estivéssemos estabelecido o regime de aulas, os alunos puderam contar com o Portal da Educação, que foi reestruturado para oferecer conteúdos complementares”, completa. O novo Portal da Educação já recebeu, desde o lançamento, mais 92,8 mil visualizações.

Diante da composição desse cenário para a tomada de decisão, a secretária se sente confiante em relação à solidez do processo que será adotado. “Será oferecida formação continuada para os professores e a diretoria de ensino acompanhará todo o processo, juntamente com a Diretoria de Planejamento, Controle e Inovação, que prestará o suporte tecnológico aos educadores. Os professores da rede são extremamente envolvidos, participativos e, com certeza, farão o melhor pra que essas crianças, de fato, consigam atingir um bom nível de aprendizagem. Os professores, inclusive, já estão bastante ansiosos para iniciar as aulas.

 

Deixe um comentário