Ad
Home Últimas Notícias Vereadores questionam votação de novo Regimento Interno

Os vereadores Jakson Charles (PSB) e Jean Carlos (PTB) protocolaram pedido de revisão da votação do novo Regimento Interno da Câmara Municipal de Anápolis, na sessão ordinária dessa segunda-feira (18/5).

Os dois vereadores questionam o quorum para votação do projeto de resolução. Segundo disse o vereador do PSB na tribuna, a aprovação necessitaria da aprovação de 2/3 dos membros do Legislativo municipal, o que seria 16 vereadores. “E o placar que aprovou a mudança foi de 13 a nove”, salientou.

Para Jakson Charles, os vereadores estavam votando um Regimento Interno que se trata das regras que devem ser cumpridas pelos membros do Poder Legislativo, o que coloca mais em evidência a obrigação de não infringi-las. “Não podemos ao votar essas regras, infringirmos elas próprias”, comentou.

Para o vereador, caso não se resolva essa dúvida em relação à votação do novo Regimento Interno, qualquer vereador no futuro poderá questionar o resultado do plenário caso tenha interesse em aprovar matéria que exija maioria absoluta, e não apenas aquela que esteja presente na hora da apreciação do processo.

Jakson afirmou que não estava defendendo a continuidade das sessões ordinárias no período da tarde (15 às 18h), ou a mudança para as manhãs (9h30 às 12h30), como de fato ocorreu com a aprovação do novo Regimento Interno. “Defendo sim a credibilidade desta Mesa Diretora, preservando-a de possíveis problemas futuros”, explicou.

O presidente Lisieux José Borges (PT) explicou que coube à Mesa Diretoria acatar o pedido de revisão feito pelos vereadores, que agora segue para avaliação da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR). Uma vez os membros da CCJT entendendo que não houve problemas, o novo Regimento Interno retorna ao plenário para segundo turno de votação, o que não ocorreu ainda.

Lisieux destacou que o rito empregado para votação do projeto de resolução seguiu orientação da Diretoria Legislativa da Câmara Municipal. O presidente disse ainda que a CCJR pode solicitar apoio do procurador-geral da Câmara Municipal, Carlos Alberto Lima, ou da própria Diretoria Legislativa, para dirimir dúvidas. “Temos profissionais gabaritados para discutir essas questões”, comentou.

(Com Câmara Municipal de Anápolis)

Deixe um comentário