Home Cidades Setor hoteleiro pede socorro ao poder público para vencer crise

Taxa de ocupação de leitos na cidade é de 25%. Segmento registra queda de 50% no índice de hospedagem e redução de 40% na diária cobrada

FERNANDA MORAIS

“O setor hoteleiro de Anápolis pede socorro, estamos vivendo uma grave crise financeira, estamos desesperados”, disse o vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria Hoteleira em Goiás (ABIH/GO), Luiz Mauro Potenciano, que também é o gerente-geral do Denali Hotel em Anápolis, durante audiência pública realizada na manhã da última sexta-feira (25), no plenário da Câmara Municipal.

A audiência foi realizada pela Comissão de Agricultura, Indústria, Comércio e Desenvolvimento Econômico do Legislativo, presidida pelo vereador Teles Júnior (PMN), a pedido do secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Agricultura e Turismo da Prefeitura de Anápolis, o empresário Vander Lúcio Barbosa. O objetivo do encontro, segundo Vander, foi mostrar a crise financeira enfrentada pelo setor hoteleiro na cidade e buscar alternativas para resolver o problema.

Luiz Mauro Potenciano evidenciou que o anúncio da construção do Centro de Convenções e do Aeroporto de Cargas em Anápolis atraiu investidores para o setor hoteleiro, que agora credita parte do problema da crise financeira do segmento a não conclusão e entrega dessas obras. “Hoje, a taxa de ocupação de leitos na cidade é de 25%. O caso é sério, o Príncipe Hotel, tradicional e antigo na cidade, fechou. Se não tivermos respostas rápidas não demora para que outros hotéis sigam esse caminho”, acrescentou.

A presidente da ABIH/GO, Vanessa Morales, acrescentou outros dados, segundo ela, preocupantes, em relação à crise financeira enfrentada pelo setor. “Nossa última estatística mostra que a taxa de ocupação nos hotéis da cidade caiu 50%. Além disso, a média da diária na hospedagem também sofreu redução de 40% no custo. Isso vai na contramão de um dado divulgado pelo IBGE, essa semana, que mostra que setor de turismo de negócios e eventos em Goiás cresceu 15%”, declarou.

Vanessa Morales reforçou que o problema dessa crise não pode ser creditado apenas a questão do atraso nas obras do Centro de Convenções, porém a conclusão do espaço será fundamental para dar fôlego ao turismo de negócios na cidade. “Precisamos investir também na divulgação de destino, na realização de eventos para fomentar o setor e afastar essa crise antes que ela se torne insustentável. Isso reflete na questão do desemprego na cidade. Quando um hotel fecha as suas portas, são pessoas que perdem os seus trabalhos”, afirmou.

O secretário de Desenvolvimento Econômico de Anápolis, Vander Lúcio, concordou que a entrega do Centro de Convenções vai trazer alívio para os empresários do ramo, porém, segundo ele, após a entrega das obras, é preciso trabalhar para que o Centro de Convenções tenha funcionalidade. “E aí é importante todos pensarmos juntos a respeito da sua utilização, na questão de realização de eventos para que a cidade seja atrativa, seja destino de convenções, seminários, encontros culturais, feiras, entre outras opções”, comentou.

Cronograma
O secretário de Desenvolvimento Econômico, Científico e Tecnológico de Agricultura, Pecuária e Irrigação (SED) de Goiás, Francisco Pontes, informou que um dos compromissos do governador Marconi Perillo com Anápolis até março de 2018, é entregar o Centro de Convenções para a cidade. “Quando assumi a secretaria eu me comprometi em cobrar da construtora o cumprimento desse prazo. Estamos correndo com isso e esse compromisso será cumprido antes de Marconi Perillo deixar o governo no ano que vem”, disse.

Para Francisco Pontes, o segmento hoteleiro é muito importante para o desenvolvimento do município. “Há pouco tempo, empresários de outros estados vinham para Anápolis, passavam o dia aqui e ao final do expediente iam se hospedar em Goiânia. Essa realidade mudou, mas ainda existem aqueles que fazem isso. Uma orientação importante que dou a vocês que atuam nesse ramo: invistam na divulgação do negócio, façam com que o cliente ache a opção de ficar em Anápolis a melhor, a mais atrativa”, incentivou.

O titular da SED disse que o Governo de Goiás vai destinar para Anápolis pelo menos R$ 225 milhões que serão investidos na conclusão de obras que vão além do Centro de Convenções. “É preciso terminar o Aeroporto de Cargas e o anel viário do Daia. Esse valor é apenas para a conclusão dessas obras e são provenientes do Programa Goiás na Frente. E aqui compartilho da fala daqueles que concordam que apenas receber as benfeitorias não é suficiente. Temos que ter planejamento para garantir que Centro de Convenções, o Aeroporto de Cargas, por exemplo, tenham utilidade”.

Empresas
Francisco Pontes contou ainda que o Governo de Goiás está trabalhando para trazer novas indústrias para cidade. Ele citou que está bem próximo de se concretizar a instalação de uma empresa de tubos de grande porte no município. “Posso adiantar aqui que uma fabricante de chocolates e enlatados está muito interessada em vir para a cidade, uma das maiores do mundo. Uma empresa de logística do sul do País também considera a cidade atrativa para instalar aqui o seu centro de distribuição. São negócios que prefiro não adiantar muitos detalhes, porque gosto de trabalhar com o que já temos de concreto, mas acredito que tudo isso, quando definido, vai movimentar o desenvolvimento industrial e econômico do município”, concluiu.

Deixe um comentário