Home Política O perfil do eleitorado: 268 mil votos em disputa em Anápolis

Números para pleito de 2018 revelam poder de decisão dividido entre eleitores jovens e experientes; menos instruídos estão em maior quantidade e são suficientes para decidirem uma eleição

ORISVALDO PIRES

GRÁFICO REDONDO SEXO OKO número exato de candidatos que Anápolis apresenta para as eleições de 2018 ainda é impossível precisar. Mas já é conhecido o quantitativo exato de eleitores que os postulantes a cargos eletivos devem procurar para buscar votos. O Tribunal Regional Eleitoral divulga dados atualizados em 25 de maio de 2018 os quais revelam que Anápolis conta com 268.471 eleitores aptos a ir às urnas em outubro deste ano. Eles vão votar nas eleições para deputado estadual, deputado federal, senador, governador, vice-governador, presidente e vice-presidente da República.

Em relação ao quantitativo registrado nas eleições municipais de 2008 (217.127), o aumento absoluto é de 51.344 eleitores, aproximadamente 23,5 por cento. Se considerarmos as eleições estaduais de 2014 (247.191) o aumento é de 21.280 eleitores, pouco mais de 8,5 por cento. Com base nas eleições mais recentes, as municipais de 2016 (260.567) foram acrescidos 7.904 eleitores, três por cento. Nas eleições de 2018 a quase totalidade dos eleitores será identificada pelo sistema da biometria.

De acordo com o Censo do IBGE realizado em maio de 2017, Anápolis conta com 375.142 habitantes. Isto significa que o número de eleitores (268.471) corresponde a 71,5 por cento da população total do município. Do número total de eleitores, 142.833 (53,20%) são mulheres, e 125.638, homens. Diferença de 6,4 por cento. Outros dados curiosos são percebidos. Por exemplo, o número de jovens com idade de 16 e 17 anos, cujo voto é facultativo. Somam 2.632 eleitores, 0,98 por cento do total.

Nesta faixa etária, analistas como o cientista político Juscelino Polonial, avalia que os acontecimentos verificados neste momento político do país desestimulam os jovens a confeccionar o título de eleitor. Em recente entrevista à Rádio Manchester, Polonial avaliou que os jovens não se sentem atraídos pela política. Segundo ele, entre os que são desobrigados a ir às urnas, é possível constatar boa participação dos idosos que se interessam em votar conduzidos pelo ‘dever cívico’ ou o ‘patriotismo’. Os eleitores acima de 70 anos somam 17.015, ou 6,34 por cento.

O maior contingente de eleitores por faixa etária, segundo classificação estabelecida pelo Tribunal Regional Eleitoral, está entre 45 e 59 anos: 67.064. Se a este número forem acrescentados os demais considerados na idade da maturidade (35 a 44 anos) é alcançada a soma de 123.682 eleitores, 46,07 por cento do total. As equipes de marketing dos partidos e candidatos certamente vão preparar mensagens específicas para cativar este grupo de eleitores.

Mas os considerados jovens também formam um filão atrativo. Ao todo são 98.425 eleitores com idade entre 18 e 34 anos. Esta é uma massa considerada crítica, exigente, que confronta o político em sua postura como homem público e em relação às propostas de trabalho. Um pouco antes da terceira idade também se situa um grupo interessante, maduro, que já experimentou praticamente todas as formas de política e de governos (inclusive a ditadura militar), entre 60 e 69 anos. Eles são 26.717 (9,95% do total do eleitorado).

Por fim, mas não menos importante, as estatísticas do Tribunal Regional Eleitoral demonstram que os eleitores dos ensinos fundamental e médio (completos ou não) têm força para decidir uma eleição. Neste campo estão 193.661 eleitores, 72,13 por cento do total. A mensagem certa para este grupo pode significar vantagem ao candidato. Nos extremos deste critério estão os analfabetos (4.042 / 1,51%) e o que sabem ler e escrever (12.694 / 4,73%); e os que têm curso superior, completo ou incompleto: 58.074 (21,64%).

A projeção de Juscelino Polonial é que nas eleições de 2018 sejam desperdiçados, entre brancos, nulos e abstenções, mais ou menos 80 mil votos, o que representa aproximadamente 30 por cento do total. Este percentual estaria próximo dos números históricos verificados em pleitos anteriores. Em 2014, por exemplo, a eleição para deputado estadual chegou a 25,18 por cento. A eleição para governador, no segundo tempo, atingiu 27,82 por cento. Em 2016, na eleição municipal, no segundo turno: 36,62 por cento. Há quem projete que, em função do desestímulo provocado pelos sequentes casos de corrupção recentes, nas próximas eleições registrem recordes de votos desperdiçados.

GRÁFICO GRAU DE INSTRUÇÃO ok

GRÁFICO FAIXA ETÁRIA ok

 

Deixe um comentário